! Para animar o programa, Boninho acaba com o sigilo do confessionário - Crítica do BBB, por Mauricio Stycer - UOL BBB11
  • http://televisao.uol.com.br/bbb/bbb11/critica/mauricio-stycer/2011/03/02/para-animar-o-bbb11-boninho-acaba-com-o-sigilo-do-confessionario.htm
  • Para animar o programa, Boninho acaba com o sigilo do confessionário
  • 12/11/2019
  • UOL Televisão - Reality
  • UOL BBB11
  • @UOLTelevisao #UOL #BBB11
  • 123
Tamanho da letra
02/03/2011 - 06h39

Para animar o programa, Boninho acaba com o sigilo do confessionário

MAURICIO STYCER
Crítico do UOL

Participar do BBB implica se submeter não apenas às mais variadas humilhações e provações, mas a um jogo cujas regras são permanentemente inventadas, adaptadas e reinventadas ao sabor dos acontecimentos. “Não existe justiça no BBB”, escreveu Boninho, o diretor do programa, há poucos dias em seu Twitter.

Num jogo justo, por exemplo, alguns participantes não podem ter mais informações do que outros. Este ano, essa regra básica foi ignorada em duas situações - no momento em que Wesley e Adriana foram convocados com o programa já em andamento e quando Mauricio voltou da “casa de vidro”.

Paredões, duplos ou triplos, eliminam um candidato. Todas as estratégias dos jogadores sempre se basearam neste princípio. No BBB11, primeiro, houve um paredão quádruplo, criado de surpresa, para eliminar um casal. Pior, esta semana foi montado um paredão triplo, que iria resultar na eliminação de dois jogadores, sem que os confinados tivessem a menor ideia da novidade.

O chamado confessionário, onde os jogadores justificam os seus votos, sempre reproduziu um princípio ético praticado na igreja católica, nos consultórios de psicanálise e nos escritórios de advocacia: o que se fala ali dentro é segredo.

Pois Boninho, no seu esforço hercúleo de tirar o BBB11 do marasmo, rompeu com esta regra esta semana. Na segunda-feira, os “brothers” foram submetidos a um “jogo da discórdia” que consistia unicamente em revelar publicamente em quem haviam votado e qual justificativa usaram no confessionário no dia anterior.

Foi um jogo que não tinha nada de jogo, destinado exclusivamente a constranger quem está “jogando”, ou seja, articulando e procurando vencer. De todas as regras reinventadas, a violação do sigilo no confessionário foi a mais dramática e a que mais compromete a credibilidade do jogo.

Mudando de assunto, Mr. Edição deu bandeira no programa desta terça-feira. Embora a pesquisa do UOL indicasse que Paula seria eliminada, com larga margem, tive certeza que o resultado final seria outro, com a eliminação de Janaína, depois de assistir os primeiros blocos.

Assim como havia feito no dia da eliminação de Ariadna, quando realçou suas qualidades, Mr. Edição exibiu um quadro mostrando a alegria de Janaína e ignorou completamente Paula. A sambista foi contemplada com uma espécie de “prêmio de consolação” em sua despedida.

Infelizmente, mais uma vez, o público não foi informado dos números de votos do paredão que eliminou, como disse Bial, o “insuportável” Diogo e a “feliz” Janaína. 

$import.read("http://tcinclude.sys.intranet/_template/web/barra-uol/barra-uol.htm")