UOL Entretenimento Televisão

30/05/2009 - 05h58

"Me chamam de mau-caráter...e eu adoro", diz Fernanda Souza, a Isadora de "Toma Lá Dá Cá"

PopTevê
Desde agosto de 2007, é bastante comum que Fernanda Souza seja abordada pelo público com palavras nada carinhosas. E olha que ela acha o máximo. "Me chamam de mau-caráter, de 'olho junto'... e eu adoro! Acho muito engraçado, não tem problema nenhum", garante. Os "elogios" fazem referência à despudorada e desonesta Isadora Dassoin de "Toma Lá Dá Cá", personagem que mudou o perfil dos papéis que marcaram a carreira da atriz paulistana. Depois de uma penca de boas-moças, ela emplaca a terceira temporada como uma jovem que é detestada até pelos próprios pais - e que, pelo visto, não tem a menor intenção de mudar seu estilo de ser.

"Não adianta, ela continua igualzinhha: 'olho junto', mau-caráter e tão burra quanto sempre!", diz a intérprete, aos risos.

FERNANDA SOUZA COMENTA A REPERCUSSÃO DE SUA PERSONAGEM ISADORA

  • Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z Notícias
As dificuldades cognitivas, porém, não serão empecilho para que Isadora volte a ter poder. Afinal, o que lhe falta em inteligência sobra em esperteza - e em contatos pouco ortodoxos. Por isso, depois de conseguir um falso diploma de bacharel em Direito, a jovem vai se tornar juíza.

"Ela sempre dá o jeito dela, né? A Isadora é pilantra e conhece todos os pilantras do Rio de Janeiro, então consegue o que quer", explica ela, que precisou alisar os cabelos para a nova fase da personagem.

E, mesmo depois de quase dois anos no ar, Fernanda não economiza na "seda" quando o assunto são os colegas de trabalho no humorístico. "É um elenco de pessoas incríveis, de grandes profissionais. E todo mundo dá o seu melhor porque temos um xodó muito grande pelo programa. É uma delícia fazer", derrete-se.

A Isadora começou no programa como uma adolescente e, hoje, ela é advogada e vai virar juíza. Essa mudança foi planejada?

Isso não foi planejado, acho que foi um movimento natural. Depois que virou política, ela parou de andar com as roupas de menininha e começou a ficar mais "mulherão". Ficou mais comportada. Já que estava trabalhando na Câmara, só abusou do decote. Agora ela voltou com os curtos, mas continua tão chique quanto.

Por falar nisso, o figurino da Isadora é bastante curto. De alguma maneira isso atrapalha a movimentação em cena?

Eu sempre uso um shortinho por baixo da roupa para me sentir à vontade - até porque é onde eu geralmente prendo o microfone. Mas não me incomoda, inclusive porque não gosto de pensar nisso em cena. O figurino é curto, só que ele não ultrapassa os limites. O único problema é que tenho de me manter magra para me sentir à vontade, ficar com o figurino certinho e não "encanar".

Esse processo de manutenção de peso exige uma rotina muito rigorosa?

É claro que é um sacrifício. Para perder um quilo em uma semana, tem de ser com sacrifício, tem mesmo de fechar a boca. Televisão sempre engorda um pouco. Então, a gente tem de estar com um "déficit" para, na tevê, parecer que está normal. Infelizmente é assim. Eu acho melhor para trabalhar, porque você se sente mais confortável com todas as roupas.

Você começou como atriz em uma novela infantil, que foi "Chiquititas". O tipo de assédio mudou, em comparação com aquela época?

É diferente. As pessoas continuam muito carinhosas. Claro que tem uma surpresa das pessoas que me viam como uma menininha e, agora, eu estou mais mulher - tenho 23 anos, é normal. Mas não acho que a abordagem tenha mudado, nem a vinda dos homens. Eles são muito respeitosos. Como a maioria das pessoas me viu crescer, não tem esse assédio. Tem um respeito.

(Por Louise Araujo)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host