Atores comentam seus prêmios Emmy nos bastidores

Reuters

Debra Messing, de "Will and Grace", ganhou o 1º Emmy de sua carreira;
» clique para ver + fotos

LOS ANGELES (Hollywood Reporter) - Foi só quando seu marido a beijou que Debra Messing entendeu que tinha ganho seu primeiro Emmy de atriz principal num seriado cômico.

"Eu estava totalmente desligada, não esperava ouvir meu nome sendo chamado", contou a estrela de "Will & Grace".

"Não posso imaginar algo mais doce. Tudo o que gente espera é ter a oportunidade de fazer o que gosta e pagar suas contas. Este reconhecimento já é coisa de outro mundo. Eu nunca tinha me permitido sonhar tão alto."

Messing contou que o domingo foi um dia longo. "Começou às 11 da manhã, com o cabelo, a maquiagem, o vestido..." E o dia ficaria ainda mais longo, já que ela foi para uma festa particular com as pessoas do seriado, na companhia de seus pais.

"FAMÍLIA SOPRANO"

"É como dizem, doce e amargo ao mesmo tempo", comentou James Gandolfini, o astro de "A Família Soprano", falando de sua vitória como melhor ator em seriado dramático e da derrota da série para "The West Wing" na categoria melhor seriado dramático.

Ele atribuiu o fato de o drama sobre uma família mafiosa ainda não ter ganho na categoria principal a sua temática sombria: "Um programa sobre ladrões e drogas, no qual eu mostro minha roupa de baixo com frequência, não agrada a todo o mundo. Não existem finais satisfatórios."

Indagado sobre a possibilidade de "A Família Soprano" ter uma sétima temporada, sua resposta foi categórica: "Não".

"SOPRANO" II

Joe Pantoliano, que recebeu o Emmy de melhor ator coadjuvante por "Família Soprano", chorou ao recordar coisas de sua infância, quando assistia à entrega dos Oscar e dos Emmy sentado no chão da sala e contava a todo o mundo que queria ser ator.

Ele contou que, depois de nove anos fazendo "papéis horríveis" para pagar o aluguel, conseguir um trabalho num seriado como "Família Soprano" foi como um presente.

"MONK"

"Ainda estou em choque", comentou Tony Shalhoub depois de receber o Emmy de melhor ator em seriado cômico por seu trabalho em "Monk", do USA. "Com seis indicados na categoria, eu me sentia como penetra na festa."

Ele quase não foi à cerimônia no domingo, depois da morte repentina de um sobrinho de 34 anos de leucemia, no sábado. Mas contou que seus irmãos o convenceram a ir.

FUTURO DE "RAYMOND" EM DÚVIDA

O que não está claro é o futuro de "Everybody Loves Raymond", cujo elenco e equipe criativa se reuniram nos bastidores da cerimônia do Emmy para comentar o prêmio conquistado pelo seriado.

"Há duas linhas de pensamento", contou o criador e produtor executivo Phil Rosenthal. "A primeira diz que esse prêmio é um incentivo grande para o futuro. A outra acha que deveríamos encerrar com fecho de ouro com este Emmy. Vamos decidir no final de janeiro."

O protagonista da série, Ray Romano, comentou: "Estou muito feliz com os prêmios desta noite. Eu não preciso ganhar como ator -- eu queria que o programa ganhasse, por causa dessas pessoas (Brad Garrett, Patricia Heaton, Doris Roberts e Peter Boyle). São elas que me fazer parecer bom."

"RAYMOND" II

A primeira vencedora da noite foi Doris Roberts -- que ficou com o Emmy de melhor atriz coadjuvante em seriado cômico pelo papel da mãe de Raymond --, e ela não quis se alongar sobre o futuro do seriado.

"Não vou me render a esse papo", declarou, rejeitando as hipóteses de que o programa pode ter chegado a sua última temporada.

"O que fizemos até agora foi fantástico, não entendo por que deveríamos parar."

UOL Cursos Online

Todos os cursos