NBC demite Peter Arnett por dar entrevista à TV iraquiana

Por Derek Caney e Mark Wilkinson
Reprodução/Reuters

Segundo Peter Arnett,
"plano dos EUA fracassou"

WASHINGTON (Reuters) - A rede de televisão americana NBC anunciou na segunda-feira (31) que havia despedido o veterano repórter Peter Arnett depois que ele disse à TV iraquiana que o plano de guerra dos EUA contra Saddam Hussein tinha fracassado.

Arnett, que era repórter da CNN em 1991 e um dos poucos jornalistas ocidentais mandando notícias direto de Bagdá durante a primeira Guerra do Golfo, afirmou numa entrevista no domingo à TV estatal iraquiana que os militares norte-americanos tinham que refazer seus planos de guerra depois da resistência do Iraque.

"Peter Arnett não irá mais trabalhar para a NBC News e a MSNBC", disse a rede em comunicado conjunto com a National Geographic, para a qual o jornalista laureado com o Prêmio Pulitzer também estava trabalhando.

"Foi um erro da parte de Peter Arnett conceder entrevista à televisão estatal iraquiana, especialmente em tempo de guerra, e foi um erro de sua parte divulgar suas opiniões e observações pessoais", afirmou a nota.

Falando ao programa "Today", da própria NBC, Arnett comentou: "Eu disse naquela entrevista essencialmente o que todos nós já sabemos sobre a guerra: que houve atrasos na implementação das políticas, que houve surpresas".

"Mas já ficou claro que, ao conceder a entrevista, criei uma tempestade nos EUA, e lamento sinceramente por isso...Meu erro estúpido de julgamento foi ter gasto 15 minutos concedendo uma entrevista improvisada à televisão iraquiana", concluiu o jornalista. Em 1998, Arnett foi demitido pela CNN depois que o Pentágono pressionou a rede devido a um documentário em que o jornalista alegou que comandos dos EUA tinham usado gás sarin contra soldados americanos que haviam desertado durante a Guerra do Vietnã, fugindo para o Laos. Arnett desmentiu a matéria depois que seus produtores também foram demitidos.

O jornalista disse à TV iraquiana que os planejadores de guerra americanos subestimaram a determinação das tropas iraquianas de combater as forças americanas e britânicas, e que o Pentágono parecia estar disposto a modificar sua estratégia original.

"Agora a América está reavaliando o campo de batalha, adiando a guerra possivelmente por uma semana e reescrevendo o plano", disse Arnett em trechos da entrevista transmitidos pelas redes de televisão americanas. Ele acrescentou ainda que o presidente Bush estava enfrentando um desafio crescente "com relação à forma de conduzir a guerra e também a oposição à guerra."

O presidente da MSNBC Erik Sorenson afirmou: "Não sei de ninguém na comunidade jornalística que tenha tido acesso ao plano de guerra, muito menos Peter Arnett.'

"É inapropriado e impatriótico para um norte-americano dizer essas coisas ao governo e à população iraquianos", acrescentou.

Os comentários de Arnett foram mal recebidos por Washington e uma fonte da Casa Branca disse que suas colocações se basearam "numa posição de total ignorância".

Embora tenha pedido desculpas no programa da NBC, Arnett disse que já concedeu muitas entrevistas no passado e que seus comentários não diferem do pensamento dos especialistas.

"Talvez algumas pessoas me achem insano, mas não sou antimilitar", ele afirmou. "Esta é a maior cobertura de minha vida."

Indagado sobre o que fará no futuro, Arnett respondeu: "Existe uma pequena ilha habitada no Pacífico sul. Acho que vou tentar nadar até lá."

"Vou embora. Estou constrangido", disse o jornalista.


Leia também:
» Peter Arnett concede entrevista ao Iraque por "cortesia"
» Ex-correspondente da CNN dá a volta por cima em Bagdá


UOL Cursos Online

Todos os cursos