Interessados discutem possível fusão entre CNN e ABC News

NOVA YORK (Variety) - Com a saída do vice-presidente Ted Turner e diante de perdas que chegam perto dos 100 bilhões de dólares, a AOL Time Warner pode começar a achar atraente a idéia de fundir a CNN com a rede ABC News, da Walt Disney.

Adversário declarado da proposta, Turner -- que, afinal, foi o fundador da CNN -- ainda não decidiu se vai continuar a integrar o conselho de direção da empresa. Ele terá um encontro com o presidente e executivo-chefe da AOL Time Warner, Richard Parsons, dentro de 15 dias, para anunciar sua decisão.

Mas é provável que, na ausência de objeções por parte de Turner, as forças favoráveis à fusão entre as duas organizações de notícias possam avançar com seus planos.

Como Parsons, o presidente e executivo-chefe da Disney, Michael Eisner, já manifestou seu apoio pelas negociações em curso. O chefe da Turner Networks, Jamie Kellner, responsável pelas operações de TV da empresa, disse que a decisão do conselho da AOL Time Warner sobre a fusão será tomada até o final de março.

É possível que os custos de cobertura da provável guerra com o Iraque também possam levar a rede de notícias a seguir adiante com as negociações. Um joint venture entre a ABC News, a segunda maior rede de notícias da TV aberta, e a CNN, segunda maior entre as TVs a cabo, poderia proporcionar a cada empresa-mãe economias de até 100 milhões de dólares.

Mas os próximos passos de Ted Turner ainda podem atrapalhar o andamento dos planos de fusão. Especula-se que ele possa tentar comprar de volta sua antiga rede de TV a cabo, que ele vendeu à Time Warner em 1996 por 7 bilhões de dólares.

UOL Cursos Online

Todos os cursos