DNA mexicano do SBT explica o sucesso de "Carrossel"

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Crítico do UOL Leia todos os artigos

Emissora mais feliz do Brasil, como reza o seu slogan, o SBT é também a mais “mexicana” de todas. Para o bem e para o mal, este espírito alegre, mas anacrônico, está inscrito no DNA da TV inaugurada em 1981.

  • 3126
  • true
  • http://televisao.uol.com.br/enquetes/2012/05/23/voce-gostou-da-nova-versao-de-carrossel.js

Não falo apenas das quase 90 novelas da Televisa, do “Chaves” e do “Chapolin Colorado”, que desde o início abrilhantam a sua programação. As grandes atrações da história do SBT, desde Silvio Santos a Gugu Liberato, de Hebe Camargo e Ratinho à “Praça É Nossa”, transmitem esta sensação – a de uma emissora realmente feliz, mas deslocada no tempo.

A estreia – e o baita sucesso – da nova versão de “Carrossel”, agora realizada pelo próprio SBT, apenas confirmam o acerto de insistir nesta fórmula. Parece claro que há não apenas público, mas mercado interessados num tipo de programação mais simples, sem o mesmo acabamento oferecido pela concorrência e que produz o efeito de deslocar o espectador no tempo.

“Carrossel” é uma novela infantil, protagonizada por crianças para crianças, mas é irresistível para adultos por conta desta combinação típica que o DNA mexicano do SBT sabe fazer.

Em primeiro lugar, o texto da novela. Não há espaço para ironia, insinuação ou sutileza na fala dos personagens. Tudo é simples e direto, de maneira a não deixar dúvidas na cabeça de ninguém.

“Acredita que tem um menino negro na minha sala!”, diz, por exemplo, Maria Joaquina, a “patricinha” de “Carrossel” para o pai. Antes, Cirilo havia reclamado: “Acho que ela não gosta de mim porque eu sou negro. Acho que ela me trata mal também porque o pai dela é médico e o meu é apenas carpinteiro”.

Em segundo lugar, creio que muito do sucesso de “Carrossel” está ligado ao “talento” do elenco infantil. Eles transmitem um misto de despreparo com vontade de agradar que torna tudo muito saboroso. Parecem, às vezes, robozinhos mexendo os braços e falando frases engraçadas sem que estejam, de fato, entendendo o que dizem.

O elenco adulto ainda procura encontrar o tom ideal para contracenar com as crianças. Rosanne Mulholland, como a professora Helena, embarcou numa linha Branca de Neve de meiguice, que costuma funcionar. Noemi Gerbelli, como a diretora Olívia, parece estar no “Castelo Rá-Tim-Bum” e Ilana Kaplan ainda está contida como a professora Matilde.

A cenografia da Escola Mundial, onde se passa a principal parte da ação, lembra a de um programa de auditório infantil. Muito colorido, com uma árvore incrivelmente artificial no meio do pátio, o ambiente combina perfeitamente com o tom geral da novela.  Já a trilha sonora, excelente, chega ate a destoar.

“Carrossel”, enfim, reafirma a vocação do SBT, insuperável no jeito mexicano de fazer televisão no Brasil.

Veja as diferenças entre as duas versões

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor. Conheça seu Blog no UOL

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos